segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Balanços serão o fiel da balança

Bom dia investidor!

Estrangeiros atuaram na compra no pregão de sexta-feira, aumentando de 105.588 para 107.045 a posição comprada no índice futuro.

Na Ásia tivemos fechamentos em viés de alta. Japão: +0,65%. China: +0,50%.

O apetite por risco teve continuidade na Ásia depois de a China anunciar um novo corte de juros e de compulsórios bancários, na última sexta-feira, quando os mercados da região já haviam fechado. Nos últimos meses, Pequim tem adotado novas iniciativas fiscais e monetárias numa tentativa de impulsionar a economia chinesa, que no terceiro trimestre expandiu-se no ritmo mais fraco desde 2009.

Europa trabalha sem direção única. Londres: -0,27%; Frankfurt +0,17%; Paris -0,59%.

O índice de sentimento das empresas da Alemanha caiu para 108,2 em outubro, de 108,5 em setembro, segundo dados publicados hoje pelo instituto alemão Ifo. O resultado veio melhor que o esperado, uma vez que analistas consultados pela Dow Jones Newswires previam queda mais acentuada do indicador, a 107,8.

Segundo avaliação do Ifo, a economia alemã vem mostrando "resiliência notável", apesar dos "múltiplos desafios", que incluem preocupações com a desaceleração da China e de outros grandes países emergentes.

Depois que o Banco Central jogou a toalha em relação ao cumprimento da meta de 4,5% também em 2016, as previsões para a inflação no Relatório de Mercado Focus dispararam em alguns casos e, no índice que mede o comportamento dos preços no atacado chegou a superar a marca dos 10%. Segundo o documento divulgado há pouco pela instituição, a mediana para o IPCA do ano que vem subiu de 6,12% para 6,22%. Esta é a 12ª semana consecutiva de elevação. Há quatro edições, o ponto central da pesquisa era de 5,87%.

O relatório ainda trouxe mais revisões para o Produto Interno Bruto (PIB) deste e, principalmente, do próximo ano. De acordo com o documento divulgado há pouco pelo Banco Central, a perspectiva de retração da economia este ano passou de 3,00% para 3,02% - um mês antes estava em queda de 2,80%. Para 2016, a mediana das previsões saiu de -1,22% para -1,43%. Quatro semanas atrás estava negativa em 1,00%.

Petróleo e cobre em leve alta.

A temporada de balanços no Brasil e exterior será decisiva para ditar o rumo dos mercados nessa reta final de 2015.

O gráfico diário do Ibovespa mostra que o benchmark sentiu a região de 48K na primeira batida.
O desafio é fechar acima desse patamar.

Clique para ampliar

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário