terça-feira, 15 de setembro de 2015

Pacote do governo no radar


Bom dia investidor!


Estrangeiros iniciam o pregão comprados em 120.301 contratos de índice futuro.

O petróleo avança 1,20% em Londres e sobre 1,30% em Nova York. O cobre sobe 0,50% na Comex. Futuros norte-americanos trabalham de forma lateral, sem viés definido. Bolsas na Europa operam sem direção única.

Na Ásia, tivemos fechamento positivo no Japão: +0,34% e negativo na China: -3,52%.

O minério de ferro caiu 1,9% no mercado à vista chinês para US$ 56,4 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. O valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62%, negociado no porto de Tianjin, na China.

O governo chinês impulsionou seus gastos em agosto, no momento em que atua para impulsionar o crescimento econômico e combater o quadro de desaceleração. O gasto fiscal aumentou 25,9% em agosto, na comparação com igual mês do ano passado, para 1,28 trilhão de yuans (US$ 200,1 bilhões), acelerando da alta de 24,1% registrada em julho, informou o Ministério das Finanças.

No ambiente interno, o governo passou os últimos dias contando os votos que tem no Congresso para barrar a tramitação de um possível processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

A maior preocupação do Palácio do Planalto, agora, é com a deterioração do relacionamento com o vice-presidente Michel Temer, que comanda o PMDB, e com a bancada do partido.

Dilma conversou mais de uma vez por telefone, ontem, com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. À noite, ela reuniu para um jantar 19 governadores da base aliada, no Palácio da Alvorada. Embora o encontro tenha sido para pedir apoio às medidas de austeridade fiscal, com corte de R$ 26 bilhões, congelamento de salários do funcionalismo e reedição da CPMF, o governo tentou vender ali a imagem de que está reagindo à crise. Ficou claro, ainda, que Dilma espera o respaldo dos governadores contra a tentativa de derrubá-la.

Sobre a possível volta da CPMF, o governo isentará da cobrança da Contribuição sobre Movimentação Financeira (CPMF) operações no mercado financeiro e uma série de transações, a exemplo do que foi feito no passado. 

Não incidirá CPMF sobre lançamentos em conta de corretoras que façam liquidação, compensação e custódia à Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, assim como nos débitos em conta corrente para liquidação de operações de aquisição de ações em oferta pública. 
Também não pagam os lançamentos em contas de corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, das sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários e das sociedades e fundos de investimento. Não será cobrada contribuição nas retiradas de conta corrente para investimento, utilizada exclusivamente para realização de aplicações financeiras de renda fixa e renda variável. Outra exceção são as transferências de planos de previdência entre entidades de previdência complementar. Estão isentas ainda movimentações de valores entre contas do mesmo titular e em contas tituladas por população de baixa renda e para saque de FGTS e seguro-desemprego. 

O gráfico diário do Ibovespa mostra a formação de topos e fundos ascendentes no curtíssimo prazo.

clique para ampliar

A média móvel exponencial de 21 períodos, rompida ontem em fechamento, será suporte natural e imediato em caso de correção e deverá sustentar os preços.

O desafio para os compradores será o rompimento da forte barreira entre 47.839, 47.900 e o decisivo 47.996, que confirmaria um pivot de alta caso seja vencido.

detalhe do gráfico - clique para ampliar


Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário