segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Manifestações foram destaque no final de semana


Bom dia investidor!

Estrangeiros iniciam a semana comprados em 61.136 contratos de índice futuro.

Tivemos o final da temporada de balanços no mercado doméstico na sexta-feira, restando apenas poucas empresas retardatárias para soltar seus números.

A 2ª prévia do Ibovespa para o período de setembro a dezembro deverá mexer com os ativos.

O relatório Focus divulgado mais cedo apontou IPCA para 2015 de 9,32%, retração do PIB de 1,97% para 2,01% em 2015 e retração do PIB de 0,15% em 2016.

Hoje é dia de ver a reação dos mercados domésticos aos protestos de ontem em todo o País contra Dilma Rousseff. Os números sobre o tamanho das manifestações divergem, mas todos apontam que foi menor do que os de 15 de março. Resta também saber como o governo e a oposição irão estabelecer suas estratégias a partir do evento deste domingo, que não poupou o ex-presidente Lula e o PT e ressaltou muito a insatisfação popular com a corrupção. 

O minério de ferro iniciou a semana com queda de 0,4% na China, cotado a US$ 56 a tonelada. Petróleo opera em queda de 1,62% em Nova York e cede 0,47% em Londres. Cobre recua 0,79% na Comex.

Na Ásia as bolsas fecharam sem direção única. As principais, Japão e China, subiram 0,49% e 0,71% respectivamente. Futuros norte-americanos trabalham de lado.

Na Europa temos leve alta na maioria das praças.

O Ibovespa perdeu um importante suporte ao fechar abaixo de 47.900.


Esse ponto é resistência imediata em caso de repique, pelo princípio de inversão de polaridade da análise técnica. Caso a força vendedora continue dominante, teremos teste e provável perda da linha inferior do canal de baixa desenhado na imagem.

Nesse cenário, o alvo imediato seria 46.480, mínima do ano marcada em janeiro.

Um improvável candle de reversão sobre a linha inferior do canal seria um sinal de repique para o curto prazo.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário