sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Aperto no ajuste fiscal no Brasil e PIB norte-americano serão os market movers do dia

Investidores estrangeiros iniciam o pregão comprados em 88.346 contratos de índice futuro.

Petróleo opera em alta em Londres e Nova York, enquanto o cobre trabalha em baixa.

Europa e futuros norte-americanos operam em leve baixa à espera do PIB dos Estados Unidos do quarto trimestre, às 10h30.

Depois, às 11h45, sai o índice ISM de Chicago de atividade industrial de fevereiro seguido da leitura final deste mês do índice de sentimento do consumidor norte-americano da Universidade de Michigan, às 12h.

Joaquim Levy acelera ajuste fiscal e anuncia corte de 22% nos gastos.

O aperto nos gastos públicos até o fim de abril visa garantir o cumprimento da meta de superávit fiscal de 1,2% do PIB este ano e contempla um limite de R$ 75,1 bilhões para os gastos com investimentos, restos a pagar, custeio e também com obras do PAC, além de suspensão do programa Minha Casa Melhor.

Os caminhoneiros rejeitaram o acordo proposto pelo governo.

O gráfico do Ibovespa mostra o benchmark enroscado entre a região de 51.900 como resistência e 51.240 como suporte.

A média móvel exponencial de 5 períodos também tem dado sustentação.

O rompimento firme de 51.956 projeta 52.710, enquanto a perda de 50.640 projeta algo levemente acima de 50.000 como alvo.



Wagner Caetano
Top Trader

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Balanços agitam o IBOV

Investidores estrangeiros comprados em 87.710 contratos de índice futuro.
Bolsas na Europa operam em alta.

Na Alemanha, o índice GFK de confiança do consumidor subiu 9,7 em março, previsão de 9,5.

No cenário interno, os balanços da Ambev e Vale deverão trazer forte impacto nas cotações, pelo peso que ambas tem no índice.

O lucro da Ambev no quarto trimestre de 2014 foi de R$ 4.659 bilhões, no caso da Vale a empresa reportou prejuízo de R$ 4,7 bilhões no período.

A taxa de desemprego saltou de 4,3% para 5,3% e superou as expectativas.
Nos EUA, futuros norte-americanos operam em leve alta.

Na agenda do dia teremos CPI, encomendas de bens duráveis e e auxílio desemprego às 10h30.

ibovespa conseguiu recuperação na etapa final do pregão de ontem e fechou quase estável e acima de 51.240.

O rompimento de 51.956 projeta 52.710, enquanto a perda de 50.640 seria um set up de realização de lucros.






Wagner Caetano
Top Trader


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Moody´s corta rating da Petrobras

Bom dia Investidor!

Investidores estrangeiros iniciam o pregão comprados em 85.874 contratos de índice futuro.

Hoje conheceremos os números do fluxo cambial, às 12h30.

PMI industrial preliminar na China medido pelo HSBC apontou alta de 49,7 em janeiro para 50,1 em fevereiro.

Um prato ceio para um pregão de alta para exportadoras, siderúrgicas e para a vale, não fosse a perda do grau de investimento da Petrobras e a greve dos caminhoneiros, naturalmente o segundo tópico com menor influência sobre os negócios.

No pré-mercado de NY a ADR da estatal recua 6,41% às 9h03 dessa quarta-fera.

Europa e futuros norte-americanos operam em leve baixa.

Nos EUA saem as vendas de moradias novas às 12h e estoques de petróleo, às 12h30.

óleo negro opera em alta moderada após os dados chineses.

O minério de ferro recuou 0,8% na China  fechando a US$ 62,9 a tonelada.

Ontem o Ibovespa fechou firme acima de 51.240.

Como hoje tem tudo para ser um dia de correção técnica, esse mesmo patamar será o primeiro suporte para o mercado, seguido por 50.973.

rebaixamento da Petrobras era o market mover que faltava para iniciar a correção, natural após uma puxada na compra.



Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Investidores em compasso de espera por Yellen

Investidores estrangeiros iniciam o pregão dessa terça-feira comprados em 78.820 contratos de índice futuro, tendo diminuído ontem a posição anterior de 82.554, ou seja, atuaram na venda.

Europa e futuros norte-americanos estáveis, à espera do discurso da presidente do FED Janet Yellen, que pode sinalizar aumento de juros no país em junho.

minério de ferro fechou estável na China, cotado a US$ 63,4 a tonelada no porto de Tianjin.

governo grego apresentou ontem aos seus credores uma lista de reformas na tentativa de garantir a aprovação da extensão do seu programa de ajuda por quatro meses, o que será avaliado hoje pelo Eurogrupo.

Petróleo volátil, nesse momento (9h15) opera em alta tanto em Londres quanto em Nova York.
Vale destacar que a Usiminas terá um dia importante hoje.

Haverá uma audiência às 13h, quando o Tribunal de Justiça de Minas Gerias vai julgar a reintegração de três executivos expulsos da empresa, incluindo o presidente Julián Eguren.
Ibovespa continua negociando ao redor de 52.280.

O forte suporte 50.973 também tem ajudado a segurar o benchmark (topo marcado dia 26/12).

Somente a perda em fechamento da região de 50.640 seria um sinal concreto de correção, cenário mais provável para os próximos dias.

Porém um fechamento firme acima de 52.280 apontaria a continuidade da alta para o curtíssimo prazo.



Wagner Caetano
Top Trader

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Relatório Focus e Grécia no radar

Com a China, principal market mover externo para o mercado doméstico ainda no Ano Novo Lunar, as atenções se voltam paraEuropa e Estados Unidos, além dos indicadores internos.

Relatório Focus projeta retração do PIB em 2015 de 0,42% para 0,50%.

petróleo opera em forte baixa no exterior, recuando 2,09% na Ice e 3,01% na Nymex.

Um acordo inicial entre a Grécia e seus credores anima as bolsas no velho continente, enquanto o cobre e os futuros norte-americanos operam em baixa.

Quanto ao Ibovespa, após a escalada recente notamos que está segurando na média móvel exponencial de 5 períodos e que nos últimos três pregões a máxima foi mais baixa.

Assim sendo espera-se uma segunda-feira negativa, com uma realização de lucros normal dentro da pernada de alta.


Wagner Caetano
Top Trader

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Grécia aciona o botão de venda na Europa

Investidores estrangeiros mantiveram praticamente estável a posição comprada no índice futuro, diminuindo de 82.564 para 82.308.

Alemanha rejeitou a proposta da Grécia em estender até agosto o empréstimo de 172 bilhões de euros financiado pelo Fundo Europeu de Estabilidade Financeira.

Isso trouxe cautela às bolsas do velho continente.

Cobre e petróleo operam em baixa.

Nos Estados Unidos teremos a PMI industrial preliminar às 12h45 enquanto os futuros operam em leve baixa.

Ibovespa buscou suporte na região que citamos ontem: 50.973 e respeitou.

A perda desse patamar acionaria uma correção de curtíssimo prazo, mas nada que mude a direção de alta.

Se trabalhar e consolidar acima de 51.240 mostra convicção compradora e mira 52.710.



Wagner Caetano
Top Trader



quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Investidores estrangeiros iniciam a quinta-feira comprados

Bom dia investidor!

Investidores estrangeiros iniciam a quinta-feira comprados em 82.564 contratos de índice futuro.

Nikkei fechou no maior nível em 15 anos.

Na Europa os investidores acreditam que a Grécia chegue a um novo acordo até o final da semana, o que sustenta a maioria das bolsas em valorização.

O país enviou um pedido à UE para estender em seis meses o acordo de empréstimo.

Petróleo, cobre e futuros norte-americanos operam em baixa.

No cenário interno, dados de produção da Vale deverão impactar seus papéis.

Nos Estados Unidos teremos pedidos de auxílio desemprego às 11h30 e indicadores antecedentes às 13h00.

Ontem o Ibovespa teve mais uma sessão de forte alta, rompendo o importante 50.973 em fechamento.

Entrou pressão vendedora na segunda etapa do pregão, o que sugere uma quinta-feira negativa, de correção 
técnica, com o próprio 50.973 como suporte imediato.



Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Vencimento do índice futuro após o Carnaval

No dia do vencimento do índice futuro, com abertura do mercado às 13h00, os investidores estrangeiros iniciam o pregão comprados em 64.011 contratos.

Ontem o EWZ, ativo que serve como referência para a abertura do Ibovespa em dias de feriado no mercado doméstico subiu0,91% nos Estados Unidos.

Na manhã dessa quarta-feira temos alta generalizada na Europa, petróleo em baixa e cobre em alta.

Expectativa por extensão de resgate grego é o principal market mover por lá.

Vale destacar que a Usiminas confirmou para hoje a divulgação do seu balanço, adiado semana passada, que poderá sair mesmo antes da abertura do pregão.

Os conselheiros aprovaram os números na noite de ontem.

Além disso ventila-se que Lírio Parisotto e um fundo do BTG medem forças para indicar nome ao conselho da empresa.

Na China o minério de ferro recuou 0,3% e fechou cotado a US$ 63,4 a tonelada.

Na agenda do dia teremos nos EUA PPI e construções de moradias iniciadas às 11h30, produção industrial às 12h15, ata da última reunião do FED às 17h00 e estoques de petróleo bruto às 19h30.

relatório Focus divulgado ao meio dia no Brasil também deverá impactar os negócios, pois aponta IPCA de 7,15% para 7,27% em 2015 e PIB de 0,0% para - 0,42% no mesmo período.

gráfico do Ibovespa mostra as médias cruzadas para cima, rompimento da LTB e de um pivot de alta ao estourar 49.816.

Temos uma reversão técnica no mercado para alta, porém uma correção não está descartada e seria o caminho mais provável, como suportes em 50.28049.890 e na própria cabeça do pivot em 49.816.

A resistência imediata fica em 50.973, ponto que uma vez rompido acelera ainda mais a compra.




Wagner Caetano
Top Trader

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Sexta-feira 13 para os vendidos

No pregão que antecede a folia de carnaval no Brasil, temos alta generalizada mundo afora.

Cessar fogo na Ucrânia, corte de juros na Suécia e crescimento maior que o esperado na Zona do Euro são os principais market movers para a escalada.

Um novo plano de resgate para a Grécia também ajuda a impulsionar as cotações.

Petrobras vai continuar no radar, uma vez que o balanço auditado deverá ser divulgado até o final de maio com uma metodologia mais adequada.

Haverá planejamento financeiro e redução de investimentos.

Petróleo avança mundo afora.

Na agenda do dia teremos os preços das importações às 11h30 e a confiança do consumidor às 13h nos EUA.
As ações do setor de educação deverão ter mais uma sessão de destaque, após o ministro Cid Gomes ceder em parte e anunciar que abrirá no dia 23 o sistema para novos contratos do Fies.

Usiminas vai divulgar hoje os seus números, inaugurando os balanços entre as siderúrgicas.

Um prejuízo da ordem de R$ 176 milhões já está embutido nas cotações.

Deveremos ter alta volatilidade ao longo do dia no papel.

Ontem o Ibovespa rompeu a LTB que separa o joio do trigo.

Agora o desafio fica por conta de uma forte região de resistência entre 49.700 e 50.280, máxima do ano, lembrando que 49.816foi a máxima de fevereiro.






Wagner Caetano
Top Trader

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Macroeconomia e Mercados - edição de 12/fev


O Cartezyan passa a publicar o Macroeconomia e Mercados!

Baixe aqui gratuitamente a edição de hoje.

---

MERCADOS: Nesta quinta, avaliamos um viés positivo dos mercados acionários e recuperação pontual do euro, com avanços na negociação da dívida grega, reação do Bacen da Suécia de mais flexibilização e compra de bônus e também com o cessar fogo da Ucrânia. No mercado local, a percepção de menos crescimento e mais juros não dá suporte consistente para o Ibovespa volátil, mas exterior ajuda nesta quinta.

INTERNACIONAL: O prazo do plano da dívida grega vende em 28 de fev, mas esperamos acordo sem redução da dívida, mas com extensão do prazo e/ou com juros menores. Juros das treasuries consolidam expansão EUA e alta dos juros pelo Fed no II trimestre.

ATIVIDADE: IBC-Br com queda de -0,55%, potencializa carryover negativo para 2015.

JUROS: Hoje, após “inferno astral” de ontem, estimamos uma realização de lucros no mercado de câmbio, que beneficiaria recuo dos prêmios na curva futura curta dos juros do DI, mas ainda com aposta majoritária de mais Selic e prolongamento do aperto até abril.


DÓLAR: Hoje, correção estimada para baixo do dólar para R$ 2,85 não é tendência anual!

Mercado animado com cessar fogo na Ucrânia

Investidores estrangeiros aumentaram o saldo na compra de 50.654 para 57.976 no pregão de ontem.

Um acordo sobre cessar fogo a partir de 15 de fevereiro na Ucrânia trouxe alívio aos investidores.

Como a tendência das bolsas no velho continente é de alta, quando algo positivo é divulgado os players tomam risco.

A alta é geral nessa manhã, contaminando o petróleo e futuros norte-americanos.

Na agenda do dia, teremos pedidos de auxílio desemprego e vendas no varejo às 11h30 nos Estados Unidos.

O gráfico diário do Ibovespa continua com consolidação lateral.

Como o mercado futuro está em alta, o benchmark deverá saltar novamente cima de 48.722 e testar a LTB.

Esse tipo de movimento requer paciência porém acaba sendo oportunidade para montar uma carteira sólida e com bom preço médio.





Wagner Caetano
Topo Trader

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Investidores irão precificar o ajuste fiscal

Bom dia investidor!

Investidores estrangeiros iniciam o pregão comprados em 50.654 contratos de índice futuro.

Hoje conheceremos os números do fluxo cambial por volta das 12h30.

ajuste fiscal, indiscutivelmente necessário, está sendo implementado com mãos de ferro pela nova equipe econômica.

Diversos setores já reclamam e mesmo dentro do PT existem ataques diretos.

O mercado será o melhor termômetro para avaliar o real impacto das medidas.

No exterior, o mercado está dividido entre os estímulos chineses cada vez mais próximos e certos e problemas na Grécia e Ucrânia

Ontem o IBOV testou a linha superior de uma cunha, a LTB que citamos na análise anterior.

Sentiu na primeira batida, porém se romper e trabalhar acima de 48.722 deverá voltar ao ponto decisivo.



Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Investidores miram China e Grécia

Investidores estrangeiros aumentaram o saldo comprado para 52.543 contratos de índice futuro no pregão de ontem.

No exterior as commodities bolsas operam em direções mistas, com um driver positivo: estímulos na China que deverão continuar em maior escala por causa dos dados fracos de inflação (PPI e CPI) e um negativo: Grécia, que rejeitou medidas de austeridade por meio de seu premiê Alexis Dsipras.

A escalada dos conflitos na Ucrânia também aumentam a aversão ao risco.
Xangai fechou em alta de 1,5%.

Ainda no gigante asiático o minério de ferro fechou mais uma sessão em alta, subindo 1% e cotado a US$ 62,2 a tonelada.

No cenário interno, ontem tivemos uma sessão de forte alta, com especial destaque ao setor de siderurgia.

Houve rompimento das médias móveis, que agora são suportes imediatos.

O desafio é romper a LTB desenhada no gráfico, que poderia impulsionar o benchmark ao seu maior desafio, a máxima do anona região de 50.280.




Wagner Caetano 
Top Trader

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Vencimento de opções antecipado pelo Carnaval

Mercados no exterior em sessão de cautela, pelo menos nesse momento, por dados fracos na China e preocupações com a Grécia.

No gigante asiático houve superávit comercial recorde (US$ 60 bilhões em janeiro), previsão de US$ 48,4 bilhões, porém com dados decepcionantes quanto à importações e exportações.
Como isso não é exatamente um novidade para o mercado, talvez seja o caminho para mais relaxamento monetário a fim de estimular a economia local.

No Grécia, preocupações com a situação do país, especialmente uma eventual saída da Zona do Euro pesam sobre as bolsas do velho continente, porém há pouco houve uma virada nos bônus, com o juro do bônus de 2 anos subindo 376 pontos-base, a 20,99%.

No Brasil, o relatório Focus aponta crescimento zero para 2015 e inflação de 7,15%.

Petróleo em alta na Ice e Nymex.

Investidores estrangeiros inciam a semana comprados em 49.449 contratos de índice futuro.

gráfico diário do Ibovespa mostra uma pernada de alta com correção intermediária, portanto é importante que o benchmark permaneça acima de 48.722 e sobre as médias móveis para continuar a sua busca pela máxima do ano em 50.280 e também para conseguir romper a LTB, pontos que libertam o mercado doméstico para uma virada.



Wagner Caetano
Top Trader



sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Petrobras escolha nova diretoria nessa sexta-feira

Os investidores estrangeiros iniciam o pregão comprados em 50.660 contratos de índice futuro.

Petróleo opera em forte alta tanto na Ice quanto na Nymex.

Na agenda do dia teremos o importante relatório de empregos às 11h30 nos Estados Unidos.
Europa e futuros norte-americanos trabalham sem direção única, em compasso de espera pelo PAYROLL.

No Brasil o principal market mover será a escolha do novo presidente e da diretoria da Petrobras.

Ventila-se que a reunião teve início às 9h00 e que os nomes serão definidos nessa sexta-feira.

O Ibovespa está numa reunião decisiva, próximo da LTB que poderá ser um divisor de águas para o movimento de curto prazo.

Se sentir a região e recuar, vai frustrar o plano dos comprados de uma virada para alta, pelo menos nesse momento.

Porém um rompimento seria uma demonstração de força e, como está consolidado acima de 48.722 e das médias móveis, vencer a LTB e levara junto a resistência 49.890 é o caminho mais provável.



Wagner Caetano
Top Trader

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Aversão ao risco na véspera do payroll e do IPCA


Cenário Especial Macroeconomia e Mercados, por Eduardo Velho

Nesta quinta, avaliamos que o contexto predominante seria de menor aversão ao risco, beneficiando um ajuste de realização do dólar doméstico (mas, moderado e pontual) e alta dos preços das commodities. Hoje, as projeções de crescimento revistas para alta em 2016 para importantes economias europeias tendem a favorecer o euro ante o dólar (da Zona do Euro, de 1,7% para 1,9% e para 1,3% e 1,8% para a Itália e França, respectivamente), às vésperas do payroll e do IPCA de sexta-feira. 

---

MERCADOS: O contexto de realização técnica e de menor aversão ao risco deve ser a predominância dos mercados internacionais, com recuperação apenas “pontual” dos preços das commodities no exterior.

INTERNACIONAL: Hoje, esperamos que as projeções de crescimento revistas para cima de importantes economias europeias tendem a fortalecer o euro ante o dólar, mesmo que seja pontual, ou seja, não seja a tendência para o ano. Foco com a crise ucraniana e a  negociação grega, pois mesmo com o alívio de “ sem radicalismo”, o alívio da dívida grega não é consenso entre FMI, França e Alemanha por exemplo.

DÓLAR: Especulações em orno do aumento do IOF sobre estrangeiros na aplicação de renda fixa potencializa a alta do dólar, mas com espaço para realização moderada do dólar na abertura. Dólar piso de R$ 2,7/US$ em nosso cenário para o final deste mês.

JUROS: Contexto de nova reavaliação das projeções de inflação poderia manter o canal de alta dos juros futuros e sobretudo da aposta majoritária de alta da Selic em 0,5 no Copom de março para 12,75%. Entretanto, “escolha Petrobrás” e “resposta de cortes e aumento de impostos” potencializam repercussão no recuo dos prêmios nas próximas.

---

Na ausência de alteração relevante nas projeções de inflação e da atividade de curtíssimo prazo, o mercado futuro de juros deve prosseguir no dia a dia, a trajetória do dólar no exterior ( e doméstico) e o impacto potencial nos preços.  A aceleração do dólar em fevereiro superior a 2% apenas em alguns dias reforça as apostas, ainda majoritárias na curva futura, na manutenção no ritmo de alta do juro básico em 0,5 p.p, para 12,75% no Copom de março, mas esses prêmios já sofreram oscilações e continuamos a vislumbrar espaço para ajustes de prêmios para baixo na curva curta. O impacto mais claro do componente desinflacionário do hiato do PIB e também da inflação internacional no segundo semestre não pode ser relativizado !!


A expectativa de elevação da taxa de juros nos Estados Unidos até o final do I semestre mantém  a pressão de alta dos juros das treasuries e aqui n Brasil, na curva longa. De fato, ontem, o juro do DI do contrato de jan-2017 e de jan-2021 aumentaram de 12,50% para 12,54% e de 12,0% para 12,11%, respectivamente.

O IPCA de jan-2015 deve ser elevado ( acima de 1,20%), mas já está precificado, mas as previsões de reajustes de preços administrados/monitorados ainda podem sofrer alterações para cima, sobretudo no caso do setor de energia elétrica. Deve-se ressaltar que os programas sociais nesse setor ( da ordem de R$ 8 bilhões) serão custeados na conta de luz dos consumidores .

Na ótica da política fiscal e cambial, avalio que, se efetivamente o governo acionar o aumento do imposto sobre operações financeiras (IOF) sobre ingresso de recursos externos para aplicações de renda fixa, no momento em que o dólar segue pressionado em alta, deverá reforçar esse movimento de desvalorização do real , porém beneficiando o ajuste das contas externas brasileiras. Como destacamos ontem em nosso call matinal, a confirmação de um nome renomado , até mesmo internacionalmente, para a nova gestão executiva da Petrobrás , consolidaria uma nova postura da política microeconômica no II mandato de Dilma.

No mercado internacional , o preço do barril do petróleo parece não ter “forças” para manter um canal de alta de forma sustentável, com a manutenção das cotas de produção da OPEP , do ritmo moderado de crescimento mundial ainda moderado e do nível de estoques. A correção negativa entre o dólar mais caro e commodities em queda deve manter a predominância em 2015. As vésperas do payroll desta sexta-feira, o viés continua positivo para a economia norte-americana , reforçando o nosso cenário base de aumento do juro do fedfund ainda no segundo  trimestre de 2015. De fato,  (i)  consideramos que a geração de empregos privados ( ADP)  da economia norte-americana da ordem de 213 mil - a despeito do número ter ficado abaixo da expectativa de 240 mil – foi robusta no contexto da média do bimestre ( dez-2014 e jan-2015), com revisão para cima dos dados de dezembro e comparativamente ao mesmo período de dez-2013 – jan-2014 Além disso , (ii) o viés foi de alta de indicadores relevantes do setor de serviços do instituto Markit e sobretudo do ISM.

---

Eduardo Velho
Economista e Consultor de Investimentos
Especial para o Cartezyan

Grécia e Petrobras no radar

Investidores estrangeiros inciam o pregão comprados em 52.490 contratos de índice futuro.

Temos nessa manhã de quinta-feira forte alta do petróleo na Ice e na Nymex.

Na Alemanha, as encomendas à indústria subiram 4,2% em dezembro ante novembro, previsão de 1,2%.

A UE elevou a previsão do PIB da Alemanha para alta de 1,5% em 2015.

O dirver negativo do dia fica por conta da Grécia, mas isso não impede que a maioria das bolsas na Europa e futuros norte-americanos operem em alta nesse momento (9h25).

Na agenda do dia os pedidos de auxílio desemprego saem às 11h30.

Petrobras continuará como principal assunto do mercado doméstico, uma vez que 5 diretores a a presidenta Graça Fosterrenunciaram e haverá a nomeação da nova diretoria amanhã.

Ontem o Ibov teve mais uma sessão de alta e se houver rompimento de 49.890 o alvo será a máxima do ano numa região decisiva e de forte resistência em 50.260-50.280.




Wagner Caetano
Top Trader




quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Corte de juros na China e Petrobras no radar

Bom dia investidor!

O PMI de serviços medido pelo HSBC caiu para 51,8 em janeiro na China, de 53,4 em dezembro.

PBOC cortou os compulsórios bancários no país em 0,5 ponto porcentual, liberando centenas de bilhões de yuans para o sistema financeiro.

Na Zona do Euro, o PMI de servições subiu para 52,7 em janeiro, de 51,6 em dezembro.

Na agenda do dia teremos dados de empregos no setor privado às 11h15 e PMI de serviços Markit às12h45 nos Estados Unidos.

Bolsas no velho continente, futuros norte-americanos e commodities trabalham em leve baixa, após o rali de ontem.

A troca de comando na Petrobras, que deverá envolver toda a diretoria e ocorrer no final de fevereiro, deverá continuar impactando os papéis da estatal.

Nomes como Henrique Meirelles, Rodolfo Landin, Jorge Gerdau e Roger Agnelli são os mais fortes.

gráfico diário do Ibovespa nos mostra o rompimento das médias móveis no pregão de ontem, levando junto a resistência 48.722, que agora é suporte imediato.

O caminho mais natural para o benchmark seria um teste da forte região de resistência entre 49.890 e 50.280 (máxima do ano), nos próximos dias, capaz de virar tecnicamente o mercado para compra se rompida.



Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan