quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O último pregão de 2015


Bom dia investidor!

Mercados operam em direções mistas, próximos da estabilidade. Japão fechou em alta de 0,27% e China subiu 0,26%.

Londres -0,33%; Frankfurt -0,41%; Paris +0,04%.

O minério de ferro apresentou algum recuperação nos últimos dias de 2015, após atingir a mínima em mais de dez anos no início de dezembro.

Hoje o preço subiu 2,7%, indo a US$ 42,5 a tonelada seca no mercado à vista chinês, de acordo com dados do The Steel IndexNo ano o preço acumula queda de 40,3%. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China

China revisou o superávit em conta corrente do terceiro trimestre deste ano para US$ 60,3 bilhões, de US$ 63,4 bilhões calculado inicialmente, segundo dados da Administração Estatal de Câmbio Externo (Safe, na sigla em inglês). No segundo trimestre o resultado positivo revisado foi de US$ 73 bilhões.

O chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, declarou que o governo deve conseguir a metade dos votos na Câmara dos Deputados para impedir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Um terço dos votos contra o impeachment significa 250 deputados, acima dos 171 indispensáveis para frustrar o processo de impedimento de Dilma.

clique para ampliar

O Ibovespa está em uma região de suporte e precisa respeitar esse ponto para buscar e romper 44.235, onde confirmaria um pivot de alta.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan


terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Green Tuesday


Bom dia investidor!

A terça-feira tem um tom positivo mundo afora.

China +0,85%, Japão +0,58%; Londres +0,37%; Frankfurt +1,45%; Paris +1,24%.

Após as contas do Governo Central terem registrado em novembro o pior desempenho para todos os meses da série histórica, não dá para sonhar hoje com nenhum milagre do resultado consolidado das contas públicas, que o BC divulga às 10h30.

Mas o mercado gostou de saber que a equipe econômica estava dura na queda, ontem à noite, em reunião no Planalto, descartando qualquer guinada de 180° no ajuste fiscal.

A presidente Dilma Rousseff se reuniu ontem durante quase três horas com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil), Nelson Barbosa (Fazenda), Valdir Simão (Planejamento) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo).

Foi o primeiro encontro da presidente com os membros da Junta Orçamentária desde a saída de Joaquim Levy do Ministério da Fazenda.

Entre os objetivos do encontro estava a discussão do fechamento das contas da União deste ano.

Pouco antes do término da reunião, o secretário interino do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, disse, em coletiva após o anúncio do resultado primário de novembro do Governo Central, que o governo decidiu pagar ainda em 2015 todas as dívidas com bancos públicos e fundos apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) - as chamadas pedaladas fiscais.

O secretário afirmou que a intenção é quitar os passivos com recursos do caixa do Tesouro e do colchão (reserva) para pagamento da dívida pública e uma pequena fatia com a emissão de novos títulos.

Os futuros de petróleo operam em alta moderada nesta manhã, recuperando-se após as fortes perdas da sessão anterior, em meio a estimativas de que os estoques dos EUA recuaram na semana passada.

Às 8h44 (de Brasília), o Brent para fevereiro subia 0,41%, a US$ 36,77 por barril, na plataforma eletrônica ICE, enquanto o petróleo para o mesmo mês negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) avançava 0,38%, a US$ 36,95 por barril.

Ontem, ambos os contratos sofreram um tombo de mais de 3%, em meio a preocupações com o excesso de oferta e a perspectiva da demanda.

O preço do minério de ferro subiu 2,2% no mercado à vista chinês e foi a US$ 41,4 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China. 


O gráfico diário mostra que o Ibovespa fez um pull back no suporte 43.766 e espera-se para hoje um pregão positivo, sob efeito da mulher grávida de fundo (harami).

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

China pressiona bolsas mundo afora


Bom dia investidor!

Estrangeiros voltaram a atuar na compra do índice futuro de maneira relevantes antes do Natal, aumentando o saldo de 91.951 para 96.074 contratos.

Na Ásia tivemos fechamentos mistos, com Japão subindo 0,56% e China cedendo 2,59%.

O lucro das maiores empresas do setor industrial da China teve queda de 1,4% em novembro ante igual mês do ano passado, após cair em ritmo mais forte em outubro, de 4,6%, segundo dados publicados pelo Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) do país, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

Os ganhos de companhias da indústria chinesa com receita anual superior a 20 milhões de yuans (em torno de US$ 3,1 milhões) totalizaram 672,1 bilhões de yuans em novembro, de acordo com a Xinhua.

Entre janeiro e novembro, o lucro do setor industrial chinês caiu 1,9% ante o mesmo período de 2014, para cerca de 5,5 trilhões de yuans, após diminuir 2,0% nos primeiros dez meses do ano.

Europa opera em terrenos negativo. Frankfurt -0,20%; Paris -0,58%.

O recuo dos preços das commodities continua sendo um fator negativo para as ações de empresas ligadas a matérias-primas.

Analistas do mercado financeiro revisaram mais uma vez suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2016 para baixo.

De acordo com o Relatório de Mercado Focus divulgado há pouco pelo Banco Central, perspectiva de retração da atividade do ano que vem passou de 2,80% para 2,81%. Há um mês, a mediana das projeções estava em 2,04%.

Para 2015, a previsão de contração do PIB ficou estável em 3,70% - um mês antes estava em queda de 3,19%.

No Relatório Trimestral de Inflação divulgado na última semana, o BC revisou de -2,7% para -3,6% sua estimativa para a retração econômica deste ano.

Os futuros de petróleo operam em forte baixa na manhã desta segunda-feira, em meio ao reduzido volume de negócios que precede o feriado de Ano-Novo, com a perspectiva para a oferta e a demanda basicamente inalterada desde antes do Natal.

Às 8h39 (de Brasília), o Brent para fevereiro caía 1,79%, a US$ 37,21 por barril, na plataforma eletrônica ICE, enquanto o petróleo para o mesmo mês negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) recuava 2,20%, a US$ 37,26 por barril.

O cobre cai 2,05% na Comex.

clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra sinal de fundo no diário, sobre a linha inferior de uma cunha.

O padrão é um misto de pinça com harami.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Mundo verde


Bom dia investidor!

Estrangeiros atuaram na compra do índice futuro no pregão de onte, aumentando o saldo de 90.735 para 91.951 contratos.

Na Ásia tivemos fechamento em campo positivo nas praças menores, enquanto o Japão recuou 0,16% e a China 0,43%.

Velho continente sobe forte. Londres +1,82%; Frankfurt +1,67%; Paris +1,90%.

A China estuda a possibilidade de estabelecer um fundo para reduzir o excesso da produção de aço nacional, no momento em que o país estabelece a redução no excesso de capacidade como uma de suas prioridades para os próximos cinco anos, informou a agência estatal Xinhua.

A agência citou a Associação de Ferro e Aço da China, segundo a qual o setor de aço será o mais visado entre vários setores que terão de cortar a produção, diante da expectativa de demanda fraca nos próximos anos.

Uma reviravolta mais robusta da economia da China parece ser provável em breve, uma vez que o indicador de atividade econômica chinesa aponta para um pequeno aumento no crescimento em novembro, avalia a Capital Economics.

O China Activity Proxy, um indicador desenvolvido pela Capital Economics que acompanha o ritmo de crescimento do gigante asiático como uma alternativa para o Produto Interno Bruto (PIB) oficial, subiu 4,3% no ano em novembro.

Segundo a Capital Economics, o crescimento do volume nacional, do volume de carga, e de eletricidade estão positivos, enquanto as vendas de imóveis continuam a pesar o tráfego de a diminuir.

"O crescimento deve acelerar no curto prazo, como o governo aponta para políticas mais acomodatícias a serem lançadas num futuro próximo", disse o instituto de pesquisa, acrescentando que o déficit orçamental será mais amplo e a política monetária será "flexível". Fonte: Dow Jones Newswires. 

O Banco Central ajustou hoje suas projeções para a inflação deste e do próximo ano, além de ter apresentado a primeira estimativa para 2017.

Segundo o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado há pouco, o IPCA de 2015 ficará em 10,8%, e não mais em 9,5% como constava do documento de setembro pelo cenário de referência.

Pelo cenário de mercado, a taxa projetada também passou de 9,5% para 10,8%.

Para 2016, o BC já informou que conta com um processo de grande desinflação.

Para o primeiro trimestre do ano, o IPCA deve ter alta de 9,2%, segundo o RTI.

No segundo, a taxa projetada pelo BC é de 8,1% e, no terceiro, de 7,5%%.

Assim, no fechamento do ano, a inflação estará em 6,2% pela estimativa apresentada há pouco - a anterior era de 5,3%.

No cenário de mercado, a expectativa do BC é que o IPCA fique em 9,2% ao final do primeiro trimestre de 2016, passe para 8,2% no segundo e atinja 7,6% no terceiro, encerrando 2016 em 6,3% - no RTI anterior, a estimativa de fim de ano era de 5,4%. 

clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa aponta para uma sessão de alta no pregão dessa quarta-feira.

Temos um sinal de fundo, que pode ser interpretado como uma pinça ou mesmo um harami.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Mercado deve repicar nesta terça-feira


Bom dia investidor!

Estrangeiros
atuaram na compra do índice futuro no pregão de ontem, novamente de forma expressiva, aumentando o saldo comprado de 83.666 para 90.735 contratos.

Na Ásia tivemos fechamentos mistos, com baixa de 0,16% no Japão e alta de 0,26% na China.

Europa opera com valorização generalizada. Londres +0,75%; Frankfurt +0,01%; Paris +0,15%.

Petróleo e cobre em alta.

O preço do minério de ferro subiu 2% no mercado à vista chinês e foi a US$ 40,2 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index.

Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China.

No acumulado de dezembro, o minério de ferro acumula perdas de 15,6%.

O índice GfK de confiança do consumidor da Alemanha avançou de 9,3 em dezembro para 9,4 em janeiro, informou o próprio instituto nesta terça-feira.

Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam que a leitura se mantivesse em 9,3.

O resultado positivo é apoiado pela situação econômica robusta e pelas boas perspectivas de emprego no país.

A pesquisa sinaliza que a demanda doméstica deve continuar a impulsionar a 
maior economia da Europa.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), disse acreditar que o processo de impeachment deve se resolver até março do próximo ano na Casa.

Ele lembrou que recebeu 38 pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT) ao longo deste ano, rejeitou 31, aceitou um e ainda precisa apreciar os outros.

Em entrevista à TV Câmara, num balanço do ano, Cunha disse que a Casa deverá continuar em ritmo acelerado de votações e rebateu as críticas de que é responsável por colocar uma pauta conservadora na Casa.

Ele disse, por exemplo, ser contrário à alteração no Estatuto do Desarmamento, aprovada em comissão especial na Casa, e disse que precisaria avaliar melhor o texto do Estatuto da Família.

Em reunião na tarde de ontem no Planalto, líderes da base aliada e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, fecharam entendimento para que haja recesso parlamentar em janeiro.



O gráfico diário do Ibovespa atingiu níveis bem deprimidos, com o menor fechamento desde 2009.

Seria natural um repique de curto prazo entre hoje e amanhã.

Exterior ajudaria nesse movimento.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Nelson Barbosa em destaque


Bom dia investidor!

Estrangeiros atuaram na compra dos contratos de índice futuro no pregão de sexta-feira de forma relevante, aumentando o saldo de 74.554 para 83.666.

Na Ásia tivemos alta de 1,77% na China e queda de 0,37% no Japão.

Na Europa, com exceção da Espanha que cede 2,21% pro causa das eleições, temos as praças em valorização. Londres +0,77%; Frankfurt +1,17%; Paris +0,54%.

Futuros norte-americanos avançam, enquanto o petróleo recua e o cobre opera de lado.

Com o resultado do IBC-Br de outubro em mãos, um pouco pior do que o previsto, analistas do mercado financeiro revisaram mais uma vez suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015 e 2016 para baixo.

De acordo com o Relatório de Mercado Focus divulgado há pouco pelo Banco Central, perspectiva de retração da atividade do ano que vem passou de 2,67% para 2,80%. Há um mês, a mediana das projeções estava em 2,01%.

Para 2015, a previsão de contração do PIB saiu de 3,62% para 3,70% - um mês antes estava em queda de 3,15%.

No Relatório Trimestral de Inflação de setembro, o BC revisou de -1,1% para -2,7% sua estimativa para a retração econômica deste ano. 

Os mercados domésticos começam a segunda-feira desta semana mais curta por causa do Natal reagindo à confirmação do nome de Nelson Barbosa como o novo ministro da Fazenda.

A expectativa com a saída de Joaquim Levy do posto e possibilidade de entrada de Barbosa já trouxe estresse na sexta-feira e hoje o novo ministro tentará acalmar os ânimos em teleconferência com investidores antes mesmo da cerimônia de transmissão do cargo. 


Veremos hoje se o Ibovespa encontrou seu piso na região de 43.766.

Um candle de reversão nesses patamares seria um sinal importante para o curto prazo.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Será que pode piorar?


Bom dia investidor!

Estrangeiros atuaram na compra na pregão de ontem, elevando de 69.068 para 74.554 contratos a posição comprada no índice futuro.

Bolsas asiáticas fecharam em baixa. Japão -1,90% e China -0,03%.

Europa devolve parte dos ganhos expressivos de ontem, porém muitas praças já pressionam suas máximas da sessão. Londres -0,23%; Frankfurt -0,56%; Paris -0,29%.

Futuros norte-americanos em leve alta.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ganhou fôlego no cargo até pelo menos fevereiro, quando o Supremo Tribunal Federal julgará o pedido da Procuradoria-Geral da República pedindo seu afastamento do mandato parlamentar.

Também ficou para o ano que vem a análise do recurso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa contra a votação da admissibilidade do processo por quebra de decoro parlamentar, assim como o andamento da ação no Conselho de Ética.

No STF, o pedido será analisado pelo relator da Operação Lava Jato, ministro Teori Zavascki. Caberá a ele decidir se julga sozinho a questão ou se a leva ao plenário. A perspectiva na Corte e também na Procuradoria-Geral da República, no entanto, é que Zavascki divida com os demais ministros a decisão sobre Cunha.

Sem alarde, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ajudou ontem, 17, a aprovar um requerimento que determina auditoria do Tribunal de Contas de União (TCU) sobre decretos não numerados assinados pelo vice-presidente da República Michel Temer (PMDB) para abertura de crédito ao Orçamento da União sem autorização do Congresso.

O caso pode subsidiar a abertura de um processo de impeachment contra Temer, pois ele teria cometido as mesmas irregularidades imputadas à presidente Dilma Rousseff no pedido de afastamento já em curso na Câmara dos Deputados.

Ambos teriam descumprido a Lei de Responsabilidade Fiscal e Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

O novo rito de impeachment definido nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal foi comemorado no Palácio do Planalto e recebido como uma derrota do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na avaliação de ministros que compõem a coordenação política, a presidente Dilma Rousseff tem agora mais chances de se salvar, mesmo se a abertura do processo for autorizada pela Câmara. O governo tem maioria no Senado, presidido por Renan Calheiros (PMDB-AL), e está em guerra com Cunha.

A esperança do Planalto, agora, é que o Supremo aceite o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para afastar Cunha, acusado de manter contas secretas na Suíça com dinheiro desviado da Petrobrás.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está de saída. Ontem (17), não deixou dúvidas sobre isso.

Encerrou a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) informando que não participará do próximo encontro de ministros da área econômica, marcado para o fim de janeiro. O anúncio da sua saída só não foi ainda oficializado porque a presidente Dilma Rousseff não conseguiu definir o nome de seu substituto.

O embate público do ministro em torno da meta fiscal de 2016 precipitou os acontecimentos. 
A situação é muito semelhante ao que ocorreu no ano passado quando o Ministério da Fazenda ficou nas mãos de um ministro demissionário.

Durante a campanha à Presidência, Dilma “demitiu” o ministro Guido Mantega ao indicar que seria substituído se ela fosse reeleita. Auxiliares de Dilma dizem que a substituição poderá ocorrer a qualquer momento, com grandes chances de ser antes do Natal.


O gráfico diário mostra o Ibovespa indefinido e contraído.

A abertura deverá ser em baixa.

Se respeitar a região de 44.100 e houver recuperação intraday mantém a chance de fundo no diário.

Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Green Thursday


Bom dia investidor!

Estrangeiros iniciam a quinta-feira comprados em 69.068 contratos de índice futuro. Ásia fechou em forte alta.

China +1,81%; Japão +1,59%.

Europa opera em valorização expressiva. Londres +1,43%; Frankfurt +3,22%; Paris +2,58%.

Cobre e petróleo cedem cerca de 1%.

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) decidiu elevar a taxa básica de juros do patamar próximo a zero no qual se encontrava desde dezembro de 2008, mas enfatizou que os aumentos daqui para a frente serão graduais.
Em entrevista após a decisão, Janet Yellen, presidente da instituição, reforçou essa sinalização de gradualismo, porém destacou a confiança no fortalecimento da economia americana.
Como resultado, o dólar e os juros dos Treasuries chegaram ao fim do dia em alta, depois de terem oscilado enquanto os mercados digeriam as novidades. 

Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones fechou em alta de 1,28%, ajudado pela visão otimista do banco central sobre a economia dos EUA.

Sob o impacto da retirada do grau de investimento pela agência de classificação de risco Fitch, parlamentares da Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovaram ontem uma proposta alternativa para reduzir a meta fiscal de 2016 de 0,7% para 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) sem qualquer tipo de abatimento.

A proposta difere do que havia sido apresentado pela presidente Dilma Rousseff no dia anterior, quando ela sugeriu uma banda fiscal que ia variar de 0 a 0,5% do PIB.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), confirmou a sessão do Congresso Nacional para esta quinta-feira, 17, às 10h. Segundo Renan, o objetivo é desafogar a pauta orçamentária. 

"O objetivo é encerrar, votar tudo que se refere ao orçamento de 2016 de forma definitiva e encerrar, fazer o recesso", afirmou.

Apesar de confirmar o recesso, ele não se manifestou sobre uma possibilidade de convocação extraordinária do Congresso em janeiro, para a votação sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Renan confirmou que devem votar amanhã os projetos que concedem créditos suplementares ao Ministério da Justiça e outros órgãos do Executivo, a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual.

No plenário do Senado, a sessão está marcada para o meio-dia. 

Em seu relatório sobre o rito do impeachment, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, impôs ontem uma dura derrota ao governo ao rejeitar pontos centrais que a presidente Dilma Rousseff questionava na tentativa de barrar o processo de impedimento contra si na Câmara dos Deputados.

Depois da leitura do voto de Fachin, que durou duas horas, o julgamento da ação foi suspenso e deve seguir hoje com o pronunciamento dos demais dez ministros.

Fachin, relator da ação do roteiro do impeachment, afirmou que o Senado não tem competência para rejeitar a instauração do processo caso ele seja admitido pela Câmara.

Com o voto, o ministro rechaçou a possibilidade de deixar nas mãos do Senado a decisão sobre a continuidade do processo.

Segundo esse entendimento, Dilma deverá ser afastada do cargo por até 180 dias logo depois de o presidente do Senado ler a denúncia em plenário, o que marca a instauração do impeachment na Casa. 

O governo aposta em sua base aliada no Senado, considerada mais confiável que a da Câmara, para impedir o andamento do processo.

O ministro também reconheceu a legitimidade da Câmara para adotar o voto secreto ao eleger a Comissão Especial que vai analisar o processo contra a presidente.

O relator esclareceu, no entanto, que o procedimento não poderá ser adotado pelo colegiado para a votação final do pedido de impeachment na Casa, por se tratar de um despacho e não de uma eleição.

Fachin descartou, ainda, o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), à frente do processo.

O PCdoB, autor da ação, alega que o peemedebista age de maneira parcial e não tem condições de tocar o procedimento na Casa.

Para o ministro, entraves de ordem política são comuns em um julgamento jurídico-político como em um impeachment. “Soa natural que a maioria dos agentes políticos ou figuram como adversários do presidente da República ou comungam de suas compreensões ideológico-políticas”.

Para que o voto de Fachin determine o rito do impeachment, ele precisa ser acompanhado pela maioria do plenário no STF, formado por 11 ministros.

Se esses entendimentos prevalecerem entre eles, o STF impedirá que o processo contra Dilma volte à estaca zero e também manterá a chapa de oposição eleita na semana passada para compor a comissão. 

Os efeitos da liminar concedida por Fachin na quarta-feira passada, que suspendeu a Comissão Especial da Câmara dos Deputados, continua valendo até o fim do julgamento.


Temos um martelo no Ibovespa, sinal de fundo.

Um fechamento acima de 45.100 na sessão de hoje confirmará o sinal, se ocorrer.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pregão decisivo


Bom dia investidor!

Ontem os estrangeiros trabalharam na compra do índice futuro, aumentando o saldo de 78.458 para 80.078 contratos.

Hoje temos vencimento do índiceTermina o contrato Z15 e a liquidez já migrou logo cedo para o G16.

Na Ásia tivemos alta. Japão +2,61% e China +0,17%.

Europa segue verde. Londres +0,85%; Frankfurt +0,78%; Paris +0,70%.

O minério de ferro recuperou 1,8% no mercado à vista chinês indo a US$ 38,2 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no Porto de Tianjin, na China. 

Os futuros de petróleo operam em baixa, pressionados após novos dados mostrarem aumento nos estoques dos EUA e à espera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

Mais tarde, os investidores vão acompanhar de perto o resultado da reunião do Fed, que teve início ontem e será concluída nesta quarta.

A expectativa é que o Fed aumente os juros dos EUA pela primeira vez desde 2006. A decisão será anunciada às 17h (de Brasília).

No dia seguinte à proposta do governo para reduzir a meta de superávit primário de 2016, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy - que chegou a ameaçar sair do governo se a mudança fosse feita - segue com agenda e compromissos oficiais nesta quarta-feira.

Agora pela manhã, Levy participa de café da manhã com embaixadores latino-americanos na embaixada da Colômbia. Às 11 horas, ele recebe em seu gabinete o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG). Às 11h30, o encontro será com o governador do Pará, Simão Jatene, e o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA).

Está prevista ainda uma reunião às 16 horas com o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), Jorge Camargo.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, permanece em despachos internos nesta quarta-feira. Já o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, não divulgou sua agenda de compromissos até o momento. 

clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra o benchmark sobre uma região de suporte: 44.500.

Um candle de força compradora no pregão de hoje, com a agenda econômica recheada e decisões importantes no Brasil e exterior seria um sinal relevante para quem espera uma virada da bolsa.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Catilinárias


Bom dia investidor!


Ásia fechou em direções mistas. Japão -1,68% e China -0,29%.

Praças menores como Coréia e Taiwan fecharam com valorização.

O preço do minério de ferro ficou estável hoje no mercado à vista chinês em US$ 37,50 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index (TSI). Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62%, negociado no porto de Tianjin, na China. 

Os investimentos não financeiros diretos da China no exterior cresceram 16% entre janeiro e novembro ante igual período do ano passado, atingindo US$ 104,13 bilhões, segundo dados do Ministério de Comércio. Em comunicado, o ministério afirmou que o resultado do investimento externo deverá superar a meta de crescimento de 10% estipulada para este ano, graças ao programa de desenvolvimento conhecido como "One Belt, One Road". 

Na Europa o botão de compra foi novamente acionado. As bolsas locais sobem de maneira robusta, marcando máximas sucessivas. Londres +1,58%; Frankfurt +1,93%; Paris +2,33%.

O índice ZEW de expectativas econômicas da Alemanha subiu de 10,4 em novembro para 16,1 em dezembro, informou o próprio instituto nesta terça-feira. Analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires previam alta menor, para 15,0.

O índice ZEW de condições atuais subiu de 54,4 em novembro para 55,0 em dezembro. De acordo com o levantamento, a economia alemã está "suficientemente robusta" para lidar com os desafios em 2016.

Entre os desafios previstos para a economia do país, o presidente do instituto, Clemens Fuest, cita a chegada de imigrantes e a desaceleração em mercados emergentes, que pressiona as exportações alemãs. 

Dois carros da polícia federal e um do Ministério Público Federal estão desde as 6h na porta da casa do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Rio de Janeiro, cumprindo mandado de busca e apreensão.

Um delegado da PF está no comando na diligência e dois procuradores acompanham a operação. Sete policiais federais completam a equipe. Não há informações sobre se a mulher de Cunha, Claudia Cruz, está em casa. Um advogado chegou há pouco, de táxi, mas ainda não se sabe o nome dele. 

Além de Cunha, a operação Catilinárias cumpre ao todo 53 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, referentes a sete processos instaurados a partir de investigações da Operação Lava Jato.

Outros alvos de busca e apreensão são o senador Edison Lobão (PMDB-MA), o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) e o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado.

Essa operação deve elevar a pressão pela saída de Eduardo Cunha do cargo e pode comprometer a sessão do Conselho de Ética da Câmara marcada para hoje, na qual o novo relator do processo que investiga Cunha tentará apresentar seu parecer preliminar pela sétima vez.

Também não é certo se o plenário da Casa conseguirá votar o projeto de repatriação de recursos brasileiros mantidos de forma irregular no exterior. 

Já a Comissão Mista do Orçamento deve apreciar o corte de R$ 10 bilhões no programa Bolsa Família feito pelo relator do projeto.

A LDO de 2016 é o último item de uma pauta de 31 projetos que o Congresso deve votar a partir da noite de hoje.


Gráfico diário do Ibovespa mostra o mercado respeitando o suporte na região de 44.579.

Se hoje for um dia de alta, poderemos ter um fundo que levará a um repique, com provável alvo em 45.400 ou mesmo 45.850.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Semana decisiva


Bom dia investidor!

Estrangeiros iniciam a semana comprados em 78.188 contratos de índice futuro.

Na Ásia tivemos baixa generalizada, com exceção da China que subiu 2,51%. Japão -1,80%.

Europa opera com valorização. Londres +0,39%; Frankfurt +0,41%; Paris +0,70%.

Depois de dias consecutivos de queda, o preço do minério de ferro recuperou hoje no mercado à vista 1,4% indo a US$ 37,5 a tonelada, segundo dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China.

O governo da China continuou ampliando os gastos fiscais em novembro, como parte de sua estratégia para conter a desaceleração da economia.

Dados do Ministério de Finanças chinês mostraram que os gastos fiscais subiram 25,9% em novembro ante igual mês do ano passado, a 1,61 trilhão de yuans (US$ 249,2 bilhões). O resultado ficou abaixo do acréscimo anual de 36,1% registrado em outubro, mas em linha com a média de mais de 20% de crescimento vista nos últimos meses.

A produção industrial da China cresceu 6,2% em novembro, na comparação com igual mês do ano passado, o que sugere que os esforços para impulsionar a segunda maior economia do mundo podem estar começando a funcionar.  Os dados oficiais divulgados neste sábado podem ajudar o governo do país a atingir a meta de crescimento de cerca de 7% neste ano.

Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam crescimento menor da produção industrial, de 5,7%.

As vendas de moradias na China cresceram 23,5% em valor na comparação anual de novembro, após avançarem 16,1% em outubro, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas do país. Entre janeiro e novembro, as vendas tiveram alta de 18% ante o mesmo período do ano passado.
Os investimentos em imóveis, por sua vez, subiram apenas 1,3% no acumulado até novembro. "Diante da grande quantidade de propriedades não vendidas, vai demorar um pouco para o mercado imobiliário (chinês) voltar ao equilíbrio", comentou a consultoria britânica Capital Economics, em nota a clientes.

Parte do governo Dilma Rousseff já admite dificuldade em convencer os ministros do Supremo Tribunal Federal de que o ato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de receber a denúncia de impeachment contra a presidente deve ser anulado. 

Apesar disso, o STF será palco de um périplo de advogados de Dilma hoje e amanhã.

Líderes da oposição também farão romaria para falar com os ministros da Corte às vésperas do julgamento sobre o rito do impeachment da presidente, marcado para quarta-feira.


Semana passada o Ibovespa fechou praticamente de lado.

As médias moveis serão decisivas para mostrar quem ganha a queda de braço entre ursos e touros.

O vencimento do índice futuro e o FED quarta-feira serão a dose extra de adrenalina em uma semana importante e histórica para o Brasil.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan