sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Vox Populi, Datafolha e PIB dos EUA no radar

Europa e futuros americanos em leve alta, repicando a baixa relevante de ontem.

Boatos de que a Rússia poderia reter investimentos estrangeiros foram mal digeridos mundo afora.

Como resultado tivemos alta do dólar frente a maioria das moedas.

No Brasil, expectativa pela pesquisa Datafolha para a corrida presidencial, que poderá ser divulgada a qualquer momento gera forte volatilidade, com variações extremas nas cotações em questão de minutos.

nervosismo aumenta conforme se aproxima o dia das eleições.

Investidores estrangeiros atuaram na venda ontem no mercado doméstico, diminuindo o saldo comprado no índice futuro de 72.136 para 69.753 contratos.

Minério de ferro fechou estável cotado a US$ 78,6 a tonelada na China.

Leilões do BC não forma suficientes, mais uma vez, para derrubar o dólar.

Quando ocorrem as vendas a moeda sente, mas quando terminam o dólar volta com mais agressividade.

Pelos gráficos o objetivo é 2.508,500 para o curto prazo.

PIB americano veio em linha com as expectativas, crescendo 4,6% à taxa anualizada no segundo trimestre.

Olhando o gráfico diário do Ibovespa, os compradores armaram uma trincheira ao redor de 56.000.

As mínimas de todos os pregões dessa semana foram na região.

Como as máximas de segunda-feira para cá sempre sucessivamente mais baixas, a tendência é a penetração da região e continuidade da queda rumo a 55.250.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário