terça-feira, 30 de setembro de 2014

Gráfico diário do Dow Jones chama a atenção

corrida eleitoral predomina sobre demais variáveis econômicas no momento, sendo o principal vetor de compras e vendas no Brasil.

Porém fatores externos, como o PMI final chinês medido pelo HSBC em 50,2 impacta siderúrgicas e mineradoras em cheio, mesmo com a alta do dólar, que teoricamente seria benéfica para essas empresas.

Na China, o minério de ferro renovou novamente a sua mínima em 5 anos, fechando cotado a US$ 77,5 a tonelada.

Num futuro próximo, esses papéis estarão em pontos interessantes para compras, “baratos” se levarmos em conta a assimetria (perdas calculadas e enormes chances de ganhos), porém nesse momento é viés é de queda.

Na Europa, possíveis medidas de estímulos econômicos pelo BCE animaram as bolsas locais, que trabalham majoritariamente em alta.

Taxa de desemprego na zona do Euro ficou estável em 11,5% em agosto, em linha com as previsões.

Agência Moody’s afirma que há crise de confiança com o Brasil e deixa claro que prefere Marina a Dilma.

Abaixo segue o gráfico diário do Dow Jones, que parece desenhar, assim como no Brasil, uma figura de reversão denominada ombro-cabeça-ombro (OCO).

Nesse momento estaria desenhando possível segundo ombro.

O ponto que confirmaria a figura é 16.935 (reta pescoço).


Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário