quinta-feira, 21 de agosto de 2014

FED sinaliza aumento de juros antecipado, como os mercados irão reagir?

Após reduzir mensalmente em US$ 10 bilhões a compra mensal de bônus, o FED sinalizou ontem que pode iniciar o aumento de juros nos EUA antes do esperado, talvez mesmo no primeiro trimestre de 2015.

Isso significa que a renda fixa norte-americana ficará mais atrativa e que haverá menos dinheiro em circulação diminuindo a liquidez global.

Qual será o impacto nos mercados, especialmente para os países emergentes?
Essa é a grande questão.

Uma disparada do dólar, alta firme da moeda, seria um sinal concreto de migração de recursos.

Porém o dólar inicia uma trajetória de alta e volta a cair, tanto pelo fluxo internacional, vide fluxo cambial de ontem, quanto pela atuação do Banco Central, que vende a moeda para controlar a inflação.

As vendas de moradias usadas nos Estados Unidos subiram 2,4% em julho, previsão -0,8%; índices de indicadores antecedentes subiram 0,9% em julho, previsão +0,6% e o índice de atividade regional medido pelo FED da Filadélfia saltou a 28 em agosto, previsão 18.

Na Zona do Euro o índice de confiança do consumidor caiu a -10 em agosto, previsão -9.

Na China, o PMI medido pelo HSBC interrompeu quatro meses seguidos de aceleração e caiu à mínima em três meses, a 50,3 em agosto.

O subíndice de produção industrial seguir a mesma trajetória cedendo a 51,3 neste mês, de 52,8 em julho.

No Brasil, atenções voltadas para as eleições.

O gráfico do míni-índice contrato WINV14 mostra os negócios sobre uma forte resistência que derrubou o mercado em outubro do ano passado.

A tendência de curtíssimo prazo é de alta, porém se mostrar fraqueza na região vale cautela, pois poderá sinalizar topo e ceder no curto prazo.


Bons negócios!


Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário