terça-feira, 6 de maio de 2014

Balanços corporativos agitam o pregão

Investidores estrangeiros comprados em 86.067 contratos de índice futuro.

Bolsas na Europa e futuros americanos em leve baixa, tendência seguida pelo índice futuro no Brasil.

Mercados precificando vendas no varejo e índices PMI pela Europa.

No Brasil conheceremos o PMI de serviços às 10h00 e na China às 22h45.

Déficit comercial norte-americano caiu a US$ 40,38 bilhões de dólares em março, previsão de – US$ 40,2 bilhões.

Hoje teremos inúmeros resultados corporativos no Brasil: ALL, Anhanguera, Banco ABC Brasil, BB Seguridade, Bematech, BR Malss, BR Properties, BTGP Banco, Cielo, Copasa, Ecorodovias, Iguatemi, Itaúsa, MILLS e Smiles.

A palavra de ordem é volatilidade.

Percebemos que o mercado sinaliza queda, cai com dificuldades e lentamente, porém quando sobe é com euforia e rapidamente.

Dólar trabalha em baixa nessa manhã, frustrando investidores que apostam na sobrevenda da moeda
.
bolsa brasileira continua “barata” e surfando ondas especulativas especialmente com as eleições.

Porém não temos fundamentos concretos diferentes que justificam o rali.

A questão é se teremos o famoso “SELL IN MAY AND GO AWAY”  no exterior, onde investidores embolsam lucros e operam na venda no mês de maio e como o mercado doméstico vai reagir, seguindo a manada ou trabalhando na mão contrária, como tem feito nos últimos meses.


Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário