sexta-feira, 30 de maio de 2014

Efeito Minério de Ferro derruba Ibovespa

Bolsas na Europa trabalham majoritariamente com viés de alta, enquanto as bolsas americanas tem leve baixa, após se aproximarem novamente de suas máximas históricas.

No Brasil, o minério de ferro exerce nessa sessão um peso relevante, com seu viés baixista, afetando diretamente mineração e siderurgia.

Os bancos também imprimem pressão vendedora no mercado doméstico, mudando a tendência de curto prazo para baixa se fechar em patamares inferiores a 52.260.

Superávit primário do setor público impulsiona o dólar.

PIB brasileiro cresceu 0,2% no primeiro trimestre em relação ao último de 2014.

mercado parece não ter apreciado os números.

Economistas falam em semi-estagnação.

Ibovespa está penetrando uma importante região de suporte.

Se fechar abaixo de 51.870 este ponto será uma resistência pelo princípio de inversão de polaridade da análise técnica e o alvo para o curtíssimo prazo será 50.775.




Wagner Caetano
Cartezyan

quarta-feira, 28 de maio de 2014

STF e COPOM no radar

Bolsas na Europa e futuros americanos trabalhando sem direção única nessa manhã.

Na Ásia o fechamento foi em alta generalizada.

Ontem o Brasil trabalhou na contramão com forte volume e convicção na ponta vendedora.

Estarão no radar dos investidores a decisão do COPOM sobre a política monetária e o aguardado fluxo cambial que sai às 12h30.

Ainda hoje o STF retoma o julgamento sobre a constitucionalidade dos planos econômicos.

Citi rebaixou a recomendação de Bradesco para neutra, talvez uma pista sobre o impacto do julgamento do STF para os bancos.

Minério de ferro caiu 1,3% e foi para US$ 96,8 a tonelada na China, veremos o impacto nas ações da Vale e siderúrgicas.

gráfico diário do míni-contrato de índice futuro WINM14 mostra uma forte entrada vendedora no curtíssimo prazo.

Abaixo de 52.535 mostra fraqueja, como se uma luz amarela fosse acesa.

Porém venda forte mesmo somente na perda de 52.260, mínima marcada no dia 22/05.

Bons negócios!


Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 27 de maio de 2014

Dólar e Ibovespa em pontos decisivos


Mercado ensaiou alta no início do pregão.

Força vendedora aproveitou as cotações mais altas e entrou vendendo com volume, de forma convicta e expressiva.

Dólar em alta firme mostra aversão ao risco nessa terça-feira no Brasil, mais uma vez na contramão do exterior.

Confiança do consumidor em linha com o esperado mantém as bolsas americanas em território positivo.

O gráfico a seguir do míni-dólar contrato WDOM14 mostra que o ativo respeitou a região de suporte 2.213, montou fundo e hoje rompeu a média móvel exponencial de 21 períodos.

O caminho mais natural é caminhar rumo a 2.270.

Nesse caso o Ibovespa deverá seguir na trajetória inversa e buscar a região compreendida entre 51.870 e 51.995, decisiva para o curto prazo.



Wagner Caetano
Cartezyan


segunda-feira, 26 de maio de 2014

Eleições na Ucrânia agitam Europa

Hoje é feriado nos Estados Unidos, portanto teremos um pregão com menor liquidez.

Na agenda do dia teremos a balança comercial no Brasil às 15h.

Nenhum balanço corporativo previsto para hoje.

Relatório Focus divulgado há pouco diminuiu a projeção do PIB para 1,96% para 2015, projetou a Selic em 11,25% e inflação 6,47%.

Vamos ver como o mercado vai precificar esses dados.

Bolsas europeias reagem em alta às eleições na Ucrânia.

Semana passada o Ibovespa perdeu 53.050 e passou os últimos três pregões testando a região como resistência, perdendo fôlego quando se aproximava desse ponto.


Portanto somente o rompimento firme dos 53.050 poderá indicar a volta do domínio comprador.
O caminho mais natural seria um teste da região compreendida entre 51.870 e 51.995.

Bons negócios!
Wagner Caetano
Cartezyan

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Pregão Morno para fechar a semana


Sexta-feira de agenda vazia.

Destaque apenas para o índice que mede as vendas de casas novas nos EUA às 11h00.

Balanço corporativo previsto para hoje: V-Agro.

Bolsas na Europa e futuros americanos trabalhando de forma mista.

Viés de alta para o dólar no início dos negócios.

Índice IFO de sentimento das empresas na Alemanha caiu a 110,4 em maio, previsão 111.

O míni-contrato de índice futuro WINM14 está em um ponto decisivo.

Enquanto abaixo de 53.470, o viés de baixa persiste, pois nesse caso temos um topo duplo em andamento, onde os 53.470 são o eixo da figura.

Suportes em 52.950 e 52.535.


Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

quinta-feira, 22 de maio de 2014

PMI chinês, decisão do STJ e pesquisas eleitorais no radar


Hoje a noite teremos uma nova pesquisa Ibope para a corrida presidencial revelada.

Certamente isso trará volatilidade para o mercado, especialmente para as empresas estatais.

Na agenda do dia taxa de desemprego às 9h00 no Brasil, pedidos de auxílio desemprego às 9h30, leading indicators e vendas de imóveis usados nos Estados Unidos às 11h00.

Nenhum balanço corporativo programado para hoje.

Bolsas na Europa e futuros americanos trabalhando de forma mista, sem uma tendência definida.

A decisão do STJ sobre a ação contra os bancos no caso dos planos econômicos nas décadas de 80 e 90 pesou fortemente ontem na etapa final do pregão.

Credit Suisse elevou a previsão de potenciais perdas dos bancos para R$ 89 BI após a decisão do STJ.

Na Zona do Euro, o PMI composto preliminar recuou para 53,9 em maio.

Na China, o PMI industrial medido pelo HSBC 49,7 em maio, de 48,1 em abril, porém continua abaixo de 50, indicando retração.

A bolsa de Xangai reagiu em com baixa e os metais operam majoritariamente em alta em resposta ao número.

gráfico diário do Ibovespa mostra uma longa sombra superior ontem, o que indica entrada de força vendedora.

Tem uma forte região de suporte entre 51.870 e 51.995.

Se for perdida em fechamento, a tendência de curtíssimo prazo será efetivamente negativa, com alvo em 50.800.


Bons negócios!

Wagner Caetano

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Sell in may and go away?

Bolsas na Europa e futuros americanos trabalhando de forma mista, sem uma tendência definida.

Na agenda do dia teremos estoques de petróleo nos Estados Unidos às 11h30 e a ata do FOMC às 15h, que poderá definir se teremos ou não o famoso “sell in may and do away”, um processo de vendas cíclico que ocorre em maio após fortes altas.

Temos dois balanços corporativos programados para hoje após o pregão: OGX e Profarma.

IPCA-15 em 12 meses se aproximou do teto da meta apesar da desaceleração em maio, vamos ver como o mercado vai reagir.

Além disso teremos no Brasil o aguardado fluxo cambial às 12h30, que tem guiado os negócios no curto prazo.

Metais básicos majoritariamente em baixa.

Na China teremos o PMI industrial hoje às 22h45.

O Ibovespa futuro, contrato WINM14 perdeu um ponto importante no pregão de ontem: 53.470.

Para novas baixas precisa perder o fundo de outubro de 2013, marcado em 52.535, com alvo imediato em 51.860 nesse caso.

Se trabalhar acima de 52.535 poderá repicar, mas o comando de curtíssimo prazo é dos vendedores, pois temos um topo duplo confirmado no gráfico diário.



Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan


terça-feira, 20 de maio de 2014

Pregão decisivo para o Ibovespa

Investidores estrangeiros comprados em 76.944 contratos de índice futuro no pregão pós vencimento de opções.

Agenda do dia vazia.

Nenhum balanço corporativo programado para hoje no Brasil.

Bolsas na Europa trabalhando de forma mista e futuros americanos próximos da estabilidade.

Metais básicos operam em queda.

Minério de ferro em baixa pode pesar para a Vale mais uma vez.

Após tocar a região de 54.320 por três vezes semana passada, o Ibovespa parece ter sentido a pressão vendedora e recuou forte ontem.

Como fechou abaixo de 53.400 a acendeu a luz amarela.

O ponto chave, que deverá ser testado hoje é 53.050.

Se esse ponto for perdido a situação ficará mais negativa, com alvo em 51.995.



Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Vencimento de Opções agita o pregão


Bolsas internacionais trabalhando em campo negativo essa manhã de segunda-feira.

Nenhum balanço corporativo programado para hoje.

A reta final dos resultados do primeiro trimestre e o vencimento de opções deverão definir o rumo do nosso mercado para o curto prazo.

Setor imobiliário chinês é o principal catalisador das vendas mundo afora.

minério de ferro renovou a mínima em 20 meses e iniciou a semana cotado a US$ 98,5, tornando difícil uma alta consistente das ações da Vale.

Vale destacar que no dia 21 teremos o julgamento dos planos econômicos pela corte especial do STJ, que decidirá sobre o pagamento de diferença de correção monetária incidente sobre cadernetas de poupança em 1989, quando foi instituído o Plano Verão.

Isso deverá gerar volatilidade nas ações dos bancos.


Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Reta final da temporada de balanços agita os negócios


Europa e EUA em direções mistas, sem uma tendência definida, após a forte queda de ontem.

Diversos resultados corporativos divulgados ontem agitam o pregão.

Credit Suisse rebaixou ADR da Vale e as suas ações trabalham marcando sucessivas mínimas.

Estamos chegando ao final da temporada de balanços no Brasil e veremos com os investidores irão reagir.

Vale destacar o IED (investimento estrangeiro direto) na China que subiu 3,4% em abril, para US$ 8,7 bilhões, o MNI (índice de sentimento das empresas) na China subiu para 53,7 em maio, de 51,1 em abril, agência Fitch afirmou que os dados da China de janeiro a abril ressaltam os riscos do setor imobiliário local, superávit comercial na Zona do Euro caiu para 17,1 bilhões de Euros em março, de 21,9 bilhões de Euros em março de 2013, nos Estados Unidos construções de moradias iniciadas subiram 13,2% em abril ante março, previsão + 3,1%, permissões para novas obras subiram 8,0% em abril, previsão + 1,6%,dados que devem evitar uma queda de maior expressão das bolsas norte-americanas, uma vez que o sentimento do consumidor caiu para 81,8 em maio, previsão 84,3.

No Brasil, podemos notar no gráfico diário do Ibovespa que o mercado sentiu a forte resistência na região de 54.320, ponto que gerou a forte queda iniciada em novembro de 2013.


Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

quinta-feira, 15 de maio de 2014

China e EUA imprimem viés de venda mundo afora

China e EUA imprimem viés de venda mundo afora


índice de confiança das construtoras caiu para 45 em maio nos Estados Unidos.

índice que mede a produção industrial norte-americana também decepcionou, recuando 0,6% em abril ante março.

Os pedidos de auxílio desemprego recuaram para 297 mil na semana encerrada em 10 de maio, menor nível desde maio de 2007.

Economistas entendem que a inflação parece acelerar finalmente na terra do Tio Sam.

Vamos ver como o mercado vai precificar isso, pelos gráficos e fundamentos será com vendas.

balanço do Walmart, gigante do varejo também deverá pesar nas cotações, pois tem um efeito cascata na bolsa.

Vencimento de opções na segunda-feira no Brasil deixará Petrobras e Vale altamente voláteis.

Na China, a proporção de empréstimos inadimplentes atingiu sua máxima em quase 3 anos.

Como o fluxo cambial financeiro foi negativo em mais de 2 bilhões semana passada no Brasil, o caminho mais natural para hoje seria uma baixa do Ibovespa superior a 1% e alta importante do dólar, entre 0,5 e 1%.


Bons negócios!

Wagner Caetano

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Bolsas na Europa e Estados Unidos com viés de baixa

Mercados internacionais patinando, sem força compradora.

Na agenda do dia teremos PPI às 9h30 e estoques de petróleo às 11h30 nos EUA, enquanto no Brasil o aguardado fluxo cambial às 12h30.

Investidores estrangeiros comprados em 77.119 contratos de índice futuro.

Balanços corporativos programados para hoje: BIC Banco, BR Insurance, Brazil Pharma, CIA Providência, Copel, Cyrela, Gol, HRT, JBS, Log-In, MRV, Rossi, Senior Sol, Trisul e Ultrapar.

Abaixo temos o gráfico do míni-dólar WDOM14, entre um forte suporte 2.213 e uma forte resistência 2.270.

Para o lado que romper terá grande espaço para seguir e será um sinal do fluxo financeiro que elevou as cotações das ações no curto prazo.



Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan


terça-feira, 13 de maio de 2014

Balanços corporativo em foco

Balanços corporativo em foco


Mercados internacionais trabalhando no terreno positivo nessa terça-feira.

Balanços previstos para hoje: Banco Indusval, Banrisul, Brookfield, Cosan, Eneva, KROTON, Paraná Banco, Qualicorp, Springs Global e Vigor.

Bolsas norte-americanas em máximas históricas.

Ibovespa pesado por causa de indicadores vindos da China: produção industrial subiu 8,7% em abril ante abril/2013, previsão + 8,9% e vendas no varejo cresceram 11,9% em abril ante abril/2013, previsão + 12,2% e a produção de aço bruto renovou recorde em abril pelo segundo mês consecutivo.

Na Alemanha, o índice ZEW de expectativas econômicas caiu a 33,1 em maio, previsão 41.

Ibovespa está entre uma forte resistência que libera compra em 54.320 e um suporte em 53.400, que desanima um pouco na compra.

Porém venda mesmo somente com fechamento abaixo de 53.050.




Wagner Caetano

segunda-feira, 12 de maio de 2014

China anima bolsas mundiais

Bolsas internacionais em alta generalizada.

Promessas de reformas na China animam os compradores.

No Brasil as cotações andam na esteira dos balanços corporativos e fluxo externo.

Os investidores estrangeiros atuaram na venda na sexta-feira, reduzindo de 78.863 para 75.629 a posição comprada no índice futuro.

Na agenda do dia teremos a balança comercial no Brasil às 15h00 e no mesmo horário o orçamento do governo norte-americano.

Balanços corporativos previstos para hoje: Abril, Aliansce, Banco Pine, CCR, CPFL, Dasa, JHSF, Marcopolo, Marfrig, Metal Leve e Suzano.

Vale destacar que nesse momento o Dow Jones, principal índice norte-americano, trabalha em sua máxima histórica, cotado a 16.666.


Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Mercado reage com vendas à pesquisa Datafolha

Mercado doméstico trabalha sob domínio vendedor, contido porém evidente nos livros de oferta especialmente da blue chips.

Ontem os investidores estrangeiros trabalharam expressivamente na venda, diminuindo a posição comprada no índice futuro de 86.067 para 79.147 contratos.

agenda econômica é pouco relevante, deixando as bolsas americanas laterais, sem tendência definida.

Europa fechou em queda generalizada.

Interessante destacar que Petrobras (PETR4) tinha um GAP aberto desde o dia 26/11/2013 no gráfico diário.

Muitos investidores trabalham com esse GAP como alvo para o movimento (19,14).
A ação chegou perto 18,85 mas não o fechou.

Petrobras vai fechar o GAP e puxar o mercado consigo como tem feito desde meados de março ou ele vai funcionar como uma “pegadinha” para atrair compradores, eis a questão?

Talvez para aqueles que estejam com lucro seja o momento de embolsá-lo, mesmo de maneira parcial, porque lucro bom é lucro no bolso.

Para os que aguardavam um sinal de entrada na venda, apostando numa correção de curto prazo, o sinal está dado, para entradas parciais e gradativas.


Wagner Caetano
Cartezyan

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Brasil está mesmo na contramão


Nosso mercado tem vida própria, definitivamente.

Hoje as bolsas externas estão em alta firme, fruto de dados comerciais na China, acima das expectativas.

Porém no Brasil temos baixa.

As razões podem ser inúmeras: fluxo vindo da Rússia buscando uma oportunidade de risco porém mais segura, ações baratas, negociando com desconto em relação ao seu valor patrimonial, expectativa positiva pela perda de popularidade do atual governo e ascensão da oposição ou simplesmente fluxo financeiro que procura alocação.

Enquanto o dólar estiver fraco, seja por atuação do banco central ou condições do mercado, dificilmente teremos queda no Ibovespa, pois será um reflexo de entrada de recursos, em uma bolsa cada vez mais povoada por investidores estrangeiros.

Balanços corporativos e eleições no radar.


Wagner Caetano
Cartezyan

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Bolsas na Europa e Estados Unidos sem direção única


Em um pregão recheado de balanços corporativos no Brasil, bolsas mundiais trabalham em direções mistas, precificandoPMI decepcionante na China e crise na Ucrânia.

Janet Yellen disse há pouco que a compras de bônus vão terminar no segundo semestre se a economia tiver o desempenho esperado.

Eleições continuam como o principal catalisador da alta no Brasil, aliado ao fluxo financeiro, vindo do exterior.

Talvez recursos outrora aplicados na Rússia estejam sendo direcionados ao Brasil, explicando parcialmente a euforia dos compradores.

Fluxo cambial total ficou positivo em US$ 2,783 bilhões em abril.

Fluxo financeiro ficou negativo em US$ 1,015 bilhão em abril.

Fluxo comercial ficou positivo em US$ 3,798 bilhões em abril.

Fluxo cambial em 2014 está positivo em US$ 5,614 bilhões até 2 de maio.

Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan

terça-feira, 6 de maio de 2014

Balanços corporativos agitam o pregão

Investidores estrangeiros comprados em 86.067 contratos de índice futuro.

Bolsas na Europa e futuros americanos em leve baixa, tendência seguida pelo índice futuro no Brasil.

Mercados precificando vendas no varejo e índices PMI pela Europa.

No Brasil conheceremos o PMI de serviços às 10h00 e na China às 22h45.

Déficit comercial norte-americano caiu a US$ 40,38 bilhões de dólares em março, previsão de – US$ 40,2 bilhões.

Hoje teremos inúmeros resultados corporativos no Brasil: ALL, Anhanguera, Banco ABC Brasil, BB Seguridade, Bematech, BR Malss, BR Properties, BTGP Banco, Cielo, Copasa, Ecorodovias, Iguatemi, Itaúsa, MILLS e Smiles.

A palavra de ordem é volatilidade.

Percebemos que o mercado sinaliza queda, cai com dificuldades e lentamente, porém quando sobe é com euforia e rapidamente.

Dólar trabalha em baixa nessa manhã, frustrando investidores que apostam na sobrevenda da moeda
.
bolsa brasileira continua “barata” e surfando ondas especulativas especialmente com as eleições.

Porém não temos fundamentos concretos diferentes que justificam o rali.

A questão é se teremos o famoso “SELL IN MAY AND GO AWAY”  no exterior, onde investidores embolsam lucros e operam na venda no mês de maio e como o mercado doméstico vai reagir, seguindo a manada ou trabalhando na mão contrária, como tem feito nos últimos meses.


Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan