terça-feira, 25 de março de 2014

O rebaixamento pela agência S&P estava ou não precificado? Eis a questão!


Mercado enigmático.

Volátil e movimentado.

Estrangeiros foram os grandes responsáveis pela alta recente da bolsa, comprando tudo o que viam pela frente.

O reflexo disso são os contratos de índice futuro, onde acumulam um saldo comprado de 67.473.

Com o rebaixamento do Brasil pela agência S&P, que querendo ou não pegou o mercado de surpresa, eles vão decidir se a alta continua ou se voltamos ao domínio dos ursos.

Agenda do dia vazia no Brasil, excluindo os desdobramentos do rebaixamento, certamente o assunto do pregão.

Vale destacar que o rebaixamento individual de empresas já começou, sendo Petrobras e Eletrobras as primeiras.

Nos EUA teremos, às 11h00, confiança do consumidor e números de casas novas com compromisso de venda.

Contra fatos não há argumentos: o Brasil pagará mais caro para captações externas.

O pregão de hoje será um termômetro se o fato estava ou não precificado.

O gráfico do dólar mostra a moeda tocando e respeitando uma região de suporte em 2.318.


Bons negócios.

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário